Blog do curso de Tecnologia em Logística da Faculdade INESUL

07
Jul 13

 

Erro 1: Consideram a cadeia de suprimentos como uma estrutura fixa – nesse sentido as empresas tem como prática ver a cadeia de suprimentos amarrada, comparado aos elos de uma corrente. Dentro dessa estrutura são criados setores que tem metas individuais que acabam comprometendo o resultado final da Cadeia de suprimentos.

Erro 2: Manter a estrutura de negócios – Os gestores mantêm-se na zona de conforto e evitam inovações e mudanças. Na maioria das vezes quando tentam desenvolver sua Cadeia de Suprimentos, o fazem, aplicando suas estratégias e sistemas de informação e controle utilizados internamente nas relações externas.

Erro 3: Idéia errada sobre controle – esse problema está relacionado a confusão entre controle e descentralização. Empresas acreditam que apenas a descentralização é suficiente para o total controle da Cadeia de Suprimentos.

Erro 4: Falha ao Sincronizar a demanda e os Sinais da Cadeia de Suprimentos – empresas focadas na demanda do consumidor, podem controlar os inventários nos pontos de venda e a partir dessa informação gerar as ordens dentro do sistema, todo o sistema funciona com base em um grupo de informações.

Erro 5: Considerar a tecnologia como única fonte de transformação – A tecnologia da informação, desenvolvimento de plataformas, são quesitos necessários, senão essenciais, mas não são suficientes. Há necessidade de transformar o modelo de gestão empresarial, no qual esse sistema será implantado.

Erro 6: Visibilidade do sistema de informações – Os sistemas nem sempre proporcionam as empresas a visibilidade total da cadeia. Outras vezes não há necessidade de ter em tempo real todas as informações. Importante balancear a necessidade de disponibilidade de informações no tempo e local certo.

Erro 7: Utilizar um canal único – As empresas utilizam diversos canais para distribuição, definem as opções de acordo com as necessidades. Há um esforço para desenvolver um canal único, entretanto tal solução não considera as especificidades dos produtos. Há necessidade de definir um ponto de convergência logística, onde cargas mistas são divididas e encaminhadas em forma de cargas específicas.

Erro 8: Não considerar o fator Humano – Há necessidade de se conhecer as características humanas da organização, para então definir tarefas e responsabilidade – importante para “saber com quem contar”.

Erro 9: Não alavancar elementos globais da Cadeia de suprimentos -  Necessidade de desenvolver uma cadeia de suprimentos global, para atender as dinâmicas da economia globalizada. Dessa forma a empresa consegue estar próximo de clientes em diversos espaços geográficos. Tais características aumentam a produtividade em até 10%.

Erro 10: Subestimar a necessidade de transformação – Há um grande potencial de ampliação de valor na cadeia de suprimentos. Outro fator importante é a necessidade de visão de longo prazo, os autores consideram que mudanças efetivas demoram, no mínimo, dois anos para serem implementadas.

publicado por INESUL às 20:02

Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
18
20

23
24
25
26
27

28


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

28 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO