Blog do curso de Tecnologia em Logística da Faculdade INESUL

22
Mai 12

Mais do que qualquer outro fator da economia, são dos custos logísticos, decorrentes da precariedade da infraestrutura que os empresários mais reclamam. A afirmação foi feita pelo presidente do Sistema FIESC, Glauco José Côrte, na abertura do Workshop Internacional SENAI de Logística, nesta quarta-feira, dia 16, em Balneário Camboriú. "As reclamações surgem em qualquer ponto do Estado, principalmente por causa da infraestrutura de transportes, em qualquer ponto do Estado", salientou.

No evento, a professora Mônica Luna, da UFSC, observou que a oferta de serviços logísticos vem crescendo em tamanho e qualidade no Brasil e, ainda mais, em Santa Catarina. De 2006 a 2010, o número de trabalhadores em serviços logísticos cresceu na ordem de 45%. "Santa Catarina cresceu acima da média, na ordem de 49%". Uma das atividades que mais cresceu foi o setor de armazenagem. Neste caso, a média brasileira foi de 45,2%, enquanto a média catarinense foi de 75%. "Neste caso, os serviços agregam valor, pois quem terceiriza o armazenamento conta com serviços adicionais, como consolidação e monitoramento de cargas, separação de produtos, preenchimento de pedidos e uma série de outros serviços. Há um aumento do valor agregado nos serviços", salienta.

'Futuro demanda produtos personalizados, mas que reduzam consumo de recursos em 30%'

Mesmo sem saber qual será o resultado final, duas grandes companhias alemãs já compraram a patente de um veículo autônomo, como o que foi visto na versão original da saga Guerra nas Estrelas (Star Wars). A pesquisa sobre o carro está em andamento no Instituto Fraunhofer de Fluxo de Materiais (cuja sigla na língua germânica é IML), da cidade alemã de Dortmund. O carro autônomo, segundo Toth, é uma pesquisa para além de cinco anos. Mas ele citou outras pesquisas em desenvolvimento no instituto para prazos mais curtos e com menor teor de ficção científica. É o caso das perdas de frutas e legumes na Inglaterra, que chega a 50% de produção, representando 17 milhões de toneladas e 20 milhões de euros por ano.

Toth explicou que a solução para esse desperdício passa pela organização de cadeias de suprimento que permitam o fornecimento sustentável, da produção ao consumo. As soluções, segundo ele, devem intensivas em tecnologia, contendo, por exemplo, sensores de temperatura e com o desenvolvimento de embalagens especiais, sem ar. "Para que não haja desperdícios com o transporte caro de produtos estragados, o controle de qualidade deve começar mais cedo, no início do processo", salientou o pesquisador.

Toht salientou que a logística "precisa se preocupar com a sustentabilidade social, econômica e ambiental". Segundo ele, "o desafio é produzir e entregar, para uma população que cresce e envelhece, produtos cada vez mais individualizados e personalizados, consumindo 70% dos recursos consumidos atualmente". Para suprir essa demanda, o Instituto Fraunhofer desenvolve pesquisas como, por exemplo, de estações de entrega de encomendas pessoais. Ou seja, os pesquisadores apostam que as pessoas voltarão a retirar correspondências ou pequenas encomendas num determinado ponto do bairro ou da cidade. "A parte final da entrega é muito difícil", afirmou. O consultor defendeu também que a logística pode contribuir decisivamente para reduzir os efeitos da crise econômica que afeta a zona do Euro.

Outro foco de pesquisas do instituto é voltado para o suprimento de indústrias que originalmente se instalaram longe de centros urbanos, mas que gradativamente foram sendo integradas às cidades, que se expandiram. "Em muitos casos, não é possível usar caminhões grandes. É preciso pensar em cadeias de fornecimento não poluentes, sem ruídos, em determinados horários do dia", disse.

A logística urbana é uma preocupação também do pesquisador Daniel Boudouin, do Centro de Pesquisa sobre Transporte e Logística da Universidade de Marseille, da França, e que no evento promovido pelo Sistema FIESC falou de plataformas logísticas e organização do território. Boudouin destacou que a organização da logística urbana e de fluxos de retorno (ou seja, a logística reversa) é uma demanda presente nos institutos especializados. Ele salientou que 10% dos empregos da Europa são na área de logística. E apresentou um dado curioso a respeito dos efeitos da logística sobre a sustentabilidade: a circulação de dejetos representa 17% do conjunto de transportes na Europa.

O Workshop Internacional SENAI de Logística reuniu mais de 360 pessoas. Nos próximos meses, por meio do SENAI, o Sistema FIESC realizará mais três Workshops Internacionais, sobre Eletroeletrônica, em Jaraguá do Sul; Tecnologia da Informação e Automação, em Florianópolis, e em Materiais (Criciúma). Mais informações no site: www.sc.senai.br/maiscompetitividade

 

 

Edital: Maurício 22/05/2012

publicado por INESUL às 18:44

Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

28 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO