Blog do curso de Tecnologia em Logística da Faculdade INESUL

09
Fev 13

carnaval logística entra na folia

Segundo o engenheiro José Luiz de Oliveira, o Zelão, responsável pela infraestrutura na área técnica da Liga SP – Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo, a Prefeitura é uma grande parceira do evento e facilita toda a parte logística para a realização do Carnaval. “São algumas centenas de profissionais envolvidos nessa grande operação, que envolve mais de 50 mil pessoas por noite, desfilando ou assistindo”, destaca. “A eficiência de toda operação logística realizada pela Liga garante o sucesso do evento, pois não há espaço para falhas ou atrasos. É uma operação complexa e exige pessoal altamente especializado”, afirma.

O engenheiro explica que o translado dos carros cenográficos exige uma grande operação de logística que envolve as escolas e a coordenação técnica da Liga, com apoio da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego e da Eletropaulo, companhia responsável pelo fornecimento de energia elétrica. O transporte em si é realizado pelas próprias escolas.

Para se ter ideia da complexidade da operação, Zelão explica que, semi-acabados, os carros têm dimensões de 18 metros de comprimento, 8 metros de largura e 4,5 metros de altura, sendo transportados assim e finalizados no Sambódromo, justamente para que durante o percurso não haja contato com fiações, galhos de árvores, viadutos, etc., minimizando a possibilidade de danos. “Essa operação é realizada sempre na madrugada, das 23h30 às 5h, com o acompanhamento da CET, minimizando assim o impacto no trânsito”, revela Zelão

Outro ponto a se destacar na logística do Carnaval é a utilização de guinchos telescópicos para o acabamento dos carros cenográficos – que podem chegar a ter até 14 metros de altura –, bem como para a colocação e retirada dos destaques nos dias de desfiles, sempre com a supervisão da Liga e operação de brigadistas. Só quem não exige operações especiais de transporte são as fantasias, que são entregues previamente aos componentes das escolas, os quais já chegam fantasiados para o desfile, usando os ônibus cedidos pelas escolas ou seus próprios veículos.

Após os desfiles, os carros cenográficos são guardados – ou, logisticamente falando, armazenados – num terreno em frente ao Sambódromo, já que após a apuração e o conhecimento das escolas vencedoras, sete delas retornarão à avenida para o Desfile das Campeãs. Depois disso, todas as escolas transportam os carros, semidesmontados, de volta aos seus barracões. Toda esta operação é acompanhada, da mesma forma que acontece no trajeto Barracão-Sambódromo. Já os materiais utilizados nos carros cenográficos são de responsabilidade das escolas, e as fantasias ficam na maioria das vezes com os componentes.

publicado por INESUL às 14:46

Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11

17
22
23



subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

28 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO